Recentemente, os alimentos orgânicos têm se tornado mais conhecidos pela população. Por trazerem benefícios à saúde e ao meio ambiente, a procura por esses produtos está crescendo de forma significativa em muitos países, inclusive no Brasil.

Feiras de produtos orgânicos se tornam cada vez mais populares, leis que regulam a quantidade e os tipos de resíduos nos alimentos e no meio ambiente surgem em muitos estados e os riscos dos agrotóxicos são discutidos amplamente.

Mas, você sabe por que os alimentos orgânicos estão em alta? Neste texto, apresentaremos alguns dos motivos que levam o consumidor a preferir esses produtos. Antes de tudo, vamos explicar o que são esses alimentos. Boa leitura!

 

Alimentos orgânicos: o que são?

A diferença entre os alimentos orgânicos e os inorgânicos está na forma de produção. Os vegetais não têm agrotóxicos, fertilizantes sintéticos e transgênicos em sua produção. Nesse caso, são usados apenas fertilizantes naturais, como o adubo orgânico. Já os produtos de origem animal, não recebem hormônios de crescimento, antibióticos e anabolizantes.

Caso queira comprar esses alimentos, eles são identificados por um selo de produto orgânico. O selo é concedido pelo Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica (SisOrg) e garante que os alimentos estão livres de produtos tóxicos.

Agora que você já sabe o que diferencia os alimentos orgânicos dos convencionais, deve estar se perguntando por que eles são cada vez mais procurados. Veja a seguir alguns dos motivos para isso.

 

Benefícios à saúde

Apesar de serem comumente usados, agrotóxicos, hormônios e fertilizantes químicos oferecem grandes riscos à saúde, podendo provocar danos a curto, médio e longo prazo. Na produção dos alimentos orgânicos, como já dissemos, essas substâncias não são utilizadas. Por isso, ao optar por eles a sua alimentação fica muito mais saudável, com a prevenção de diversas doenças. Além disso, esses produtos são mais saborosos por não terem substâncias químicas ou aromas artificiais que trazem alterações no sabor.

 

Preservação do meio ambiente

Com técnicas como a rotação de culturas, a compostagem e a adubação verde, o solo se torna mais saudável e produtivo. Além de evitar a erosão pelo uso de agrotóxicos — que pode deixar o solo inutilizável — a produção de orgânicos também colabora para a redução da poluição. Isso acontece porque não há produtos tóxicos que podem acumular na terra ou serem carregados pela água ou pelo vento.

Ao evitar a poluição da água e do solo, a agricultura orgânica cria ambientes mais saudáveis e ajuda a preservar espécies. Esse modelo de produção ainda é benéfico para o bem-estar animal. No caso de pecuária, a alimentação dos animais é constituída apenas por produtos orgânicos e não são usados antibióticos ou hormônios sintéticos.

 

Promoção de melhorias na vida no campo

A agricultura orgânica não utiliza herbicidas e tem uma produtividade menor por não usar adubos químicos. Por isso, precisa de mais mão de obra. Assim, gera mais emprego no campo e, consequentemente, mais renda, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida nas áreas afastadas das cidades.

Além de gerar renda, esse modelo de cultivo reduz as chances de contaminação dos agricultores por substâncias nocivas, já que eles têm contato apenas com produtos orgânicos. Por ter necessidade de mais mão de obra, a agricultura orgânica, apesar de todos os seus benefícios, acaba gerando produtos mais caros que os convencionais. Como os alimentos não têm conservantes, o seu prazo de validade também é menor. Porém, se consideramos que eles tornarão os gastos com saúde e recuperação do meio ambiente menores, então o custo do produto se torna mais vantajoso.

Agora, é possível compreender por que o movimento dos alimentos orgânicos está se fortalecendo, não é mesmo? Apesar de o Brasil ser o país que mais usa agrotóxicos, percebemos uma mudança no consumo que reflete a busca por uma alimentação mais saudável e de produção sustentável.

 

E você, costuma consumir produtos orgânicos? O que pensa sobre eles?